Canal do Búfalo
ATENÇÃO:

Alguns sites clandestinos tentam associar indevidamente suas imagens ao nosso fórum. Não temos relação com nenhum site exceto os que estão na barra lateral direita do fórum, na área de "Blogs Parceiros".

Caso tenha visto algum tentando associar a imagem do fórum a assuntos asquerosos como pedofilia e estupro, fiquem avisados que esta informação é TOTALMENTE FALSA.

Atenciosamente,
Canal do Búfalo.
Navegação
 Índice
 Ir para o blog
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Últimos assuntos
» [Relato] Camarada pegou porra alheia e não achou nada demais!
Qui Out 13, 2011 10:14 pm por Smith

» O VELHO SAMBA ADERINDO A REAL .
Sex Out 07, 2011 3:40 am por Smith

» [Fixo] (Download) BackUp Da Real(PDF)
Sex Out 07, 2011 3:39 am por Smith

» Procuro ela ou não?
Sex Out 07, 2011 3:39 am por Smith

» Dossiê Vivi Facada!
Sex Out 07, 2011 3:35 am por Smith

» AS MULHERES MAIS GOSTOSAS DO BRASIL PARTICIPAM DO SWING DO PRAGA.
Sex Out 07, 2011 3:30 am por Smith

» [+18] A mulher mais gostosa que ja vi.
Sex Out 07, 2011 3:26 am por Smith

» Menino inicia tratamento de mudança de sexo aos 8 anos
Sex Out 07, 2011 3:25 am por Smith

» Aniversário do fórum
Sex Out 07, 2011 3:24 am por Smith

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada


Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Dr. Mandrake em Sab Fev 26, 2011 11:54 pm

.

.




A morte do ego requer compreensão e súplica. A compreensão não é tudo, mas é imprescindível. O sistema krishnamurtiano de compreensão integral é imprescindível, mas incompleto. Não se consegue a morte do eu somente por meio da compreensão. O eu não desaparece espontaneamente após ser compreendido. Há necessidade de súplica à Mãe Divina e da continuidade da não-identificação.

Compreender um defeito é, entre outras coisas, discernir seus danos e falsidades. Os eus causam prejuízos físicos e espirituais, além de distorcer a realidade.



A visão dos eus é subjetiva, o que equivale e a dizer que é falsa. O desejo transfigura o objeto, conferindo-lhe valor positivo ou negativo. Tomados pela luxúria, não vemos o sexo e a mulher tal como são.



A distorção da realidade por um eu pode ser compreendida em diferentes níveis de profundidade. Quanto mais profunda a compreensão, maior a compreensão do defeito. O mesmo vale para os danos que o mesmo ocasiona em nossa vida.



Compreender um defeito é, ainda, compreender seu ponto de vista, sua idiossincrasia. É também descobrir todos os seus detalhes, modus operandi, justificativas e múltiplas formas de manifestação através dos cinco centros.



Para maior esclarecimento: compreender um defeito é reunir todas as informações possíveis a respeito do mesmo, observando-o com clareza cada vez maior. Quanto mais informações descobertas, mais profunda será a compreensão. As informações estão em nós mesmos e em nós temos que buscá-las. As informações estão em nossa conduta, em nossos movimentos, hábitos, pensamentos, sentimentos, desejos, vontades, instintos etc.



Há dois meios para compreender: a observação direta e a reflexão a posteriori. A reflexão deve estar rigorosamente atrelada a fatos observados e jamais extrapolá-los. Extrapolar os fatos é teorizar sobre o defeito. A observação é a coleta de detalhes. A reflexão e a observação se enriquecem mutuamente. A reflexão, quando aperfeiçoada, se transforma em meditação por exigir relaxamento, concentração e desligamento sensorial sem perda da consciência.



Tomados por um desejo violento, nos observamos, mas não vemos nada porque a consciência está subjetivada pela percepção distorcida do objeto. Em tal estado lamentável, convém observar a subjetividade, coletando dados. Se a percepção pura e direta não revelar nada, podemos fazer uma reflexão intelectual, no início, até que nossa consciência (atenção) esteja treinada para perceber diretamente, sem recorrer à análise intelectual.



No início, podemos tecer análises intelectuais durante a observação, desde que não sejam devaneiantes. Com o amadurecer da prática observacional, tais análises são abandonadas e passamos à observação pura, que é o que interessa. A observação do ego desenvolve, pelo exercício, a percepção instintiva das verdades cósmicas.



Não adianta opor desejo contra desejo. O desejo de não fornicar, ainda que seja nobre, não anula o desejo de fornicar. O correto é combater o desejo com compreensão e súplica. A compreensão não advém da entrega hedônica, a qual se dá por meio da identificação da essência com o desejo. O que resulta em compreensão é a observação e análise realizados desde fora (sem identificação, ou seja, tratando o desejo como um elemento estranho a ser estudado e conhecido, tal como fazemos com inimigos).



Quando afirmei, em outras ocasiões, que não se deve resistir ao desejo, estou dizendo que não devemos opor desejo contra desejo, mas não estou afirmando que devemos nos identificar com o desejo atormentador para satisfazê-lo. A satisfação não enfraquece o desejo, o fortifica. A resistência ao desejo igualmente o fortifica por represar a libido. A observação/reflexão sem resistência, mas, ao mesmo tempo, sem identificação e acompanhada por súplica, não permite que o eu se satisfaça e o enfraquece.



Portanto, se nos vermos possessos por um desejo, não há recurso além de nos separarmos do mesmo e coletar detalhes, construindo lentamente uma compreensão baseada somente em fatos observados e não em conjeturas.



Dito de outra maneira, poderia explicar este ponto assim: não adianta opor força contra força ou simplesmente esforçar-se intensamente sem estratégia. O esforço correto é o que dá resultados e não o simples esforço bruto.

O desejo não nos deixa gratuitamente, após ter sido compreendido. Necessita ser expulso com o látego da vontade, como Nietszche indicou. Saberemos que um desejo foi compreendido quando sentirmos aversão pelo mesmo e não o suportarmos mais dentro de nós. A vergonha imensa por sermos portadores de tamanha anomalia ridicularizante indica que chegou o momento de expulsá-la de nosso interior. A intensidade da súplica aumenta e o desejo de erradicar a abominação interior se torna insuportável.



A mulher desejada emite um conjunto de vibrações que se convertem em sensações agradáveis ao serem captadas pelos nossos órgãos dos sentidos. O desejo de possuí-la é o desejo de desfrutar o mais profundamente possível de suas sensações.



A visão do corpo feminino, a audição da voz, a tactibilidade da pele, dos órgãos etc. são sensações que se associam proporcionando o prazer. A presença e o contato femininos são agradáveis aos sentidos do homem. A origem da luxúria é sensorial e por isso se utiliza a palavra “sensual” para designar o erotismo.



O conjunto de vibrações luminosas, sonoras, de solidez e odoríferas constituem um código único, inconfundível, por meio do qual reconhecemos a mulher desejada e a diferenciamos das demais.



Quando nos apegamos a um conjunto de sensações, a percepção do objeto que as origina se torna subjetiva porque não há neutralidade, já que elas passam a ser “agradáveis”. Desejar uma mulher não é mais do que desejar as sensações agradáveis de sua presença.



A compreensão dos diferentes tipos de apego a estas sensações auxilia na compreensão do defeito correspondente.



Angústias, tristezas, ciúmes, saudades, raiva, ódio, inveja etc. são sentidas mais fortemente no centro emocional, o que significa que este centro é a tônica destes defeitos, os quais ainda assim se manifestam nos outros dois cérebros. A auto-observação, o estudo e a aplicação da morte sobre estes defeitos não devem negligenciar este centro.



As múltiplas nuances qualitativas e não-descritíveis de tais emoções inferiores ao serem detectadas aumentam a compreensão dos referidos defeitos.



O medo e a gula apresentam o centro instintivo como tônica. Apresentam também manifestações mentais, motrizes, emocionais e até sexuais, mas é sob a forma de manifestações instintivas que percebemos mais violentamente seus impulsos.



A observação, o estudo e a morte devem penetrar principalmente esta forma de manifestação para vencê-los, sem abandonar as formas correspondentes aos demais centros, obviamente.



A detecção consciente das várias manifestações instintivas dos citados defeitos aprofundará a compreensão dos mesmos.



Estas manifestações podem ser alterações nos batimentos cardíacos, no ritmo respiratório, na pressão arterial, no funcionamento das glândulas sudoríparas, das glândulas salivares, nos movimentos peristálticos, no estado qualitativo sentido no estômago, nas contrações e espasmos de fome, nos tremores, bocejos etc. Ao percebermos conscientemente os detalhes das formas de manifestações instintivas destes defeitos, aprofundamos a compreensão dos mesmos.



Considerações sobre Auto-Observação






1. Os três cérebros e os cinco centros:



Os cinco centros da máquina humana se associam formando três cérebros distintos: o cérebro intelectual, o cérebro emocional e o cérebro motor-instintivo-sexual. O terceiro cérebro resulta da combinação dos três centros responsáveis pela ação.



Embora pareça estranho, o coração e os sistemas a ele relacionados pela emoção constituem um segundo cérebro no homem, motivo pelo qual uma pessoa pode ter a chamada morte cerebral ou encefálica, mas ainda assim continuar com o coração respondendo e administrando o seu sistema. Há ainda um terceiro cérebro, o motor-instintivo-sexual, que possui relativa autonomia para administrar suas funções. Por isso é que se diz que o ser humano não possui somente um cérebro e sim três.





2. O que é observar o centro intelectual?





É prestar atenção no que se passa em nossa cabeça. Você estará observando o seu centro intelectual quando detectar, por meio da atenção introspectiva, em que está pensando, lembrando, raciocinando ou imaginando. Um problema amoroso, por exemplo, poderá disparar a mente, fazendo com que o apaixonado analise sua situação, raciocine, lembre-se de fatos, tente encontrar soluções etc. São funções do centro intelectual a análise, a memória, a conceituação, a descrição, a imaginação. Um filósofo é alguém que educou o seu centro intelectual para funcione com lógica rigorosa. Um asceta meditador é alguém que aprendeu a pará-lo. O mentor intelectual de crimes é alguém que o educou e treinou para satisfação do ego.







3. O que é observar o centro emocional?





É o ato de prestar atenção no coração e detectar o teor dos sentimentos que o estão invadindo. As emoções podem ser boas ou más. Pelo coração passam milhares de emoções que são prejudiciais em sua maioria, mas são de difícil descrição.



Entretanto, a consciência pode registrar não-conceituavelmente o “sabor” de cada emoção.







4. O que é observar o centro motor?



É o ato de prestar atenção nos movimentos de todo o corpo, e não somente dos braços e pernas. Todos os movimentos musculares não-instintivos são funcionamento do centro motor: do rosto, da cabeça, do tronco, da língua, da boca e dos olhos.



Formas de andar, comer, sentar-se, olhar e posicionar-se em pé, etc. são expressões do centro motor. Olhando estas expressões podemos descobrir muitos detalhes de defeitos.







5. O que é observar o centro instintivo?





É prestar atenção nas funções corporais espontâneas destinadas à preservação da saúde, da vida e da espécie.

Parece haver muitas dúvidas entres os irmãos gnósticos de várias tendências a respeito dessa modalidade de expressão do ego.



São manifestações instintivas do ego: tremores, arrepios na pele, arrepios no cabelo, diarréia, vômitos, salivação, taquicardia, amolecimento das pernas, náuseas, tosses, espirros, bocejos, prurido, dores etc. As doenças psicossomáticas também são manifestações dos egos por este centro.



O medo, a luxúria ou a raiva podem provocar tremores, suores e taquicardia. O nervosismo provoca diarréia. A gula promove intensa salivação; uma mulher muito excitada em um romance erótico poderá ficar com as pernas “bambas”; o terror arrepia os cabelos...

Tudo isso são manifestações do centro instintivo que podem ser observadas diretamente. Os egos provocam alterações nas funções corporais instintivas que precisam ser observadas e descobertas para que a compreensão se aprofunde.

Quanto mais manifestações instintivas de um dado defeito descobrirmos em nós, tanto mais compreensão teremos a respeito do mesmo.



Se procurarmos sinceramente por manifestações instintivas de um defeito qualquer, poderemos descobrir várias e enriquecer a compreensão. Basta observarmos o que se passa com o corpo.







6. O que é observar o centro sexual?





É prestar atenção nas alterações que ocorrem no órgão genital e também na infinitude de “sabores morbosos”. A atenção poderá captar sensações, nem sempre descritíveis ou conceituáveis, emanadas da região sexual.







7. Como detectar os egos?





Simplesmente observando nosso comportamento através dos centros e verificando o que está sendo prejudicial ou indesejável, do ponto de vista do desenvolvimento espiritual. São características fundamentais dos defeitos: prejudicar a nós mesmos ou ao próximo e violentar o livre arbítrio da vontade.

As manifestações dos centros que não forem prejudiciais não são defeitos. Ou seja: Nem toda manifestação dos centros provém do Ego, mas somente aquelas que causam dano, ainda que pequeno.



Os defeitos se manifestam através dos cinco centros (três cérebros) e somente podem ser descobertos observando-se as cinco formas respectivas de manifestação de cada um destes centros.







8. Dimorfismo sexual nos centros





O dimorfismo sexual se exprime através dos centros, o que significa que existem algumas formas de pensar, sentir e agir tipicamente masculinas e outras tipicamente femininas. A masculinidade é uma forma de expressão do ego através destes cinco centros.

Como diz Schopenhauer, quanto mais masculino for um homem, mais feminina será a mulher que irá atrair e vice-versa.

Se você quiser atrair mulheres altamente femininas, deverá ressaltar a masculinidade em seus centros: falar, andar, vestir-se, olhar, sentar, mover-se, posicionar-se etc. como um homem. Entretanto, nenhum homem existente será masculino a ponto de erradicar totalmente de si os traços femininos, visto que na origem somos andróginos, pois resultamos de um coito, que é a fusão de dois pólos.

O aspecto feminino do homem, a anima de Jung, é que lhe permite compreender a mulher, relacionar-se com ela e manter o contato psicológico, mas preservará a heterossexualidade somente se subordinar-se ao aspecto masculino, que é o que deve comandar o homem. Caso contrário, a anima se torna um demônio que joga o homem nas mãos do animus feminino para ser torturado emocionalmente.



A masculinidade e a feminilidade possuem aspectos superiores e inferiores. Portanto, nem sempre o machão é uma pessoa ruim como pressupõe o senso comum.

Se você desenvolver uma masculinidade negativa, atrairá para si muitos problemas. Terá uma vida curta, muitos inimigos desnecessários etc.



Existem sentimentos de homem, tais como o furor da batalha, o gosto pela liderança ou o furor do sexo selvagem, mas eles podem nos destruir se não forem aperfeiçoados pela morte do ego.



O pensamento do macho deve ser concentrado, cuidadoso, penetrante e profundo, sem obstruir a atenção e sem causar devaneios. O pensamento da fêmea deve ser abrangente, receptivo e também, como diz Kant, agradável e belo. Isso não é preconceito e nem misoginia, mas sim respeito à diferença.





9. O objeto da observação de si





Quando se diz que devemos observar o nosso ego, isso significa que devemos observar as cinco categorias em que se divide nosso comportamento. Cada uma das cinco categorias pertencem a um dos cinco centros.

Portanto, observar a si mesmo é observar o que se passa em nossa cabeça, em nosso coração e plexo solar, e também observar os nossos movimentos, processos corporais instintivos e o que se passa no órgão sexual. Observar algo é acompanhá-lo conscientemente para coletar informações.







10. O sentido da auto-observação





A observação do ego é possível devido à existência de um sentido latente no ser humano que lhe permite perceber seu próprio psiquismo e processos corporais internos. Esta observação de si mesmo corresponde, parcialmente, ao que alguns autores denominam “sinestesia”, com “s”, que é a capacidade de perceber cores que estão psicologicamente associadas a sons, ao que outros denominam “cinestesia”, com “c”, que é a capacidade de perceber os movimentos e posição de partes do corpo, ao “tactus internus”, mencionado por Cícero, e ao que chamam de “clarividência”, que é a capacidade de ver na luz astral. De fato, a percepção e identificação direta dos próprios pensamentos marcam o começo do exercício de uma forma rudimentar de clarividência, a qual pode ser ainda mais desenvolvida com a meditação. Em sua forma completa, culminará no nascimento da faculdade chamada “percepção instintiva das verdades cósmicas”.



De todas as maneiras, esteja desenvolvido ou não, é este sentido que permite começar e aprofundar a compreensão dos defeitos.





Considerações sobre o Ego






O ego somente morre se aplicarmos a morte em marcha sobre os seus detalhes, suas manifestações diminutas e sutis. A auto-observação deve revelar manifestações pequenas e sutis dos defeitos, suas múltiplas facetas, ao invés e ater-se às manifestações maiores. Sobre cada faceta sutil deve-se aplicar a morte em marcha, à qual consiste em suplicar à Mãe Divina pela dissolução das mesmas imediatamente após descobrí-las.



Para descoberta dos detalhes, o foco da atenção (o "holofote da consciência") deve estar direcionado aos cinco centros (três cérebros). Isso significa que a atenção é posta sobre nós mesmos, porém em esferas bem específicas de nossa própria pessoa, as quais foram explicadas há pouco.

Se o foco da atenção não for posto sobre os cinco centros, nada será descoberto. Esta é uma das razões pelas quais muitas pessoas tentam se auto-observar, mas nada descobrem.

Se o foco não estiver sobre os cinco centros, estará posto no nada, sobre um hipotético "ego" imaginário e abstrato, o que inutilizará a tentativa. O ego a ser verdadeiramente observado é o ego real e concreto, o qual será encontrado somente nos centros da máquina.



Durante a correta auto-observação, a expectativa é a de encontrar nesses cinco centros toda e qualquer manifestação leve e sutil dos egos, sejam elas boas ou más em aparência. É um estado de alerta contínuo, semelhante ao das sentinelas nas guerras, que vigiam e reagem ao menor sinal da presença do inimigo.



Quando direcionamos o holofote da consciência apenas às manifestações grandes e violentas dos egos, estas nos distraem e os detalhes passam despercebidos.



A observação dos detalhes nos centros estará impedida se o observador se mantiver pensando. Um relativo silêncio mental é indispensável. Como poderemos observar algo se estivermos pensando em mil coisas? Observar não é pensar, é prestar atenção com o intuito de descobrir e compreender, de enxergar o novo.



Ao buscarmos os detalhes nos centros para aplicar-lhes a morte em marcha, deve haver uma separação entre observador e observado: nós (a essência ou alma) olhamos a nós mesmos (os egos) desde fora, sem identificação. Isso significa que nossa pessoa se divide e que nossa essência, que é o observador que presta atenção, se separa do Ego, que é a pessoa a ser observada, e passa a vigiá-lo à espreita das mínimas aparições de características indesejáveis nos centros.



Em outras palavras: observamos a nossa própria pessoa como se fosse uma pessoa estranha, focando a atenção especificamente nos cinco centros da mesma e esperando os detalhes que aparecerão a qualquer momento. Tudo isso sem esforços no sentido de reprimí-los, mas sim no sentido de enxergá-los e compreendê-los. Esta prática, aplicada com rigor e disciplina, resolve todos os problemas de compreensão dos defeitos.
avatar
Dr. Mandrake

Mensagens : 554
Data de inscrição : 18/10/2010
Idade : 35
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Dr. Mandrake em Dom Fev 27, 2011 12:01 am

ficou pequena a fonte, não vou mexer se não pode sumir partes do texto...

este texto se enquadra no ítem Ego e Desapego do Livro da Real

Abraços
avatar
Dr. Mandrake

Mensagens : 554
Data de inscrição : 18/10/2010
Idade : 35
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Dr. Mandrake em Dom Fev 27, 2011 8:41 am

Ao buscarmos os detalhes nos centros para aplicar-lhes a morte em marcha, deve haver uma separação entre observador e observado: nós (a essência ou alma) olhamos a nós mesmos (os egos) desde fora, sem identificação. Isso significa que nossa pessoa se divide e que nossa essência, que é o observador que presta atenção, se separa do Ego, que é a pessoa a ser observada, e passa a vigiá-lo à espreita das mínimas aparições de características indesejáveis nos centros.



Em outras palavras: observamos a nossa própria pessoa como se fosse uma pessoa estranha, focando a atenção especificamente nos cinco centros da mesma e esperando os detalhes que aparecerão a qualquer momento. Tudo isso sem esforços no sentido de reprimí-los, mas sim no sentido de enxergá-los e compreendê-los. Esta prática, aplicada com rigor e disciplina, resolve todos os problemas de compreensão dos defeitos..


Esta observação no qual se refere o texto também é descrito como tecnica de pnl, onde aprendi. Claro que no texto acima a explicação é mais completa.

http://canaldobufalo.forumeiros.com/t675-desapego-tecnica-para-vencer-o-ego?highlight=desapego





avatar
Dr. Mandrake

Mensagens : 554
Data de inscrição : 18/10/2010
Idade : 35
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Alexis em Dom Fev 27, 2011 2:48 pm

para se auto-observar deste jeito, é preciso muito treino e paciência,
muitas das nossas reações são completamente automáticas, nem percebemos o que fazemos.
agora que comecei a buscar, em minha vida, mais desenvolvimento pessoal, ou seja, ser o melhor para mim, para ser melhor para os outros, que comecei a perceber meus atos instintivos muito mais, mas mesmo assim é difícil, você tem de ter a sorte de participar das mais variadas situações para perceber suas mais variadas reações,
o processo é longo, assim como tudo que é difícil na vida, mas vale muito a pena,
o equilíbrio espiritual que você alcança depois de tudo isso, sai de você de forma sublime, e você atrais pessoas e coisas boas para você.
é tudo fascinante.

muito bom você ter compartilhado este tipo conhecimento conosco.
abraços
:cerva:
avatar
Alexis

Mensagens : 44
Data de inscrição : 14/11/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Zero²¹ em Sex Mar 04, 2011 10:11 am

Bom ...tenho um conhecimento bom em gnose...

A Auto observação é a chave para seu controle emocional...

Vc sabendo o que esta se passando nos seus centros espeficiados acima...

Vc consegue anular tais sentimentos observando-os...

Sempre qnd nos deparamos com algo q nao concordamos tendemos a explodir psicologicamente falando... ao controlarmos nossa emoção, agimos racionalmente... como individuo e nao como animal...

É um aprendizado bacana a gnose!
avatar
Zero²¹

Mensagens : 226
Data de inscrição : 12/01/2011
Idade : 33
Localização : RJ

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Chimera em Sex Mar 04, 2011 1:14 pm

Interessante.

O livro da real que o Mandrake citou está pronto ou tem partes disponíveis para leitura?
avatar
Chimera

Mensagens : 57
Data de inscrição : 16/01/2011

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Rus em Sex Mar 04, 2011 2:45 pm

Chimera escreveu:Interessante.

O livro da real que o Mandrake citou está pronto ou tem partes disponíveis para leitura?

Chimera, o livro ainda está sendo elaborado com as postagens aqui do fórum mesmo, é um livro colaborativo.
avatar
Rus

Mensagens : 720
Data de inscrição : 20/10/2010
Localização : São Paulo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Dossiê: Observação e Compreensão dos Defeitos - A Morte do Ego

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum